terça-feira, março 28, 2006

A lei da gravidade corrigida.

A aceleração da gravidade (g) é a produto do quadrado da velocidade a que o corpo é movido (v) e o inverso da altura a que esse mesmo corpo se encontra do chão (h)...

v = 40 km/h
h = 1,75 m

Como é linear, para este caso... pode ver-se que a aceleração da gravidade é 70,5m/s^2, e não os tão sobejamente apregoados 9,8m/s^2!
E mesmo assim... não chegou para partir as costelas àquele cabeça dura!
(Felizmente!... Ninguém dobra os martelos de bola!)

10 Reparações:

Blogger sem cantigas pensou e disse...

é mesmo??? nunca tinha pensado nisso

março 28, 2006 9:56 da tarde  
Blogger Spitfire pensou e disse...

Mas é claro... é cristalino como água!

março 28, 2006 10:24 da tarde  
Blogger  pensou e disse...

Gandas contas!

março 28, 2006 10:38 da tarde  
Blogger 125_azul pensou e disse...

Tás bem? Olha que isto faz mal ao cérebro!

março 28, 2006 10:40 da tarde  
Blogger lélé pensou e disse...

fiquei com o cérebro num 8... um zero em cima de outro zero!...

março 28, 2006 11:23 da tarde  
Blogger Spitfire pensou e disse...

125_azul:
Eu estou, o tipo que foi ao hostipal por causa destes valores é que ficou amassado.

lélé:
Cuidado com essas contas.

março 28, 2006 11:26 da tarde  
Blogger Pássara pensou e disse...

nem dá pra comentar, odeio física se calhar porque não precebo nada! Será?

março 29, 2006 2:29 da tarde  
Blogger Maria Manuel pensou e disse...

Aqui, as minhas contas são:

cavalos a galope + paisagem amena + tempo bom = sensação de liberdade

(básico e muito agradável)

março 29, 2006 5:46 da tarde  
Blogger alice pensou e disse...

“Fazes-me falta

O silêncio chegou
E espalhou miséria às portas da morte
Assustou os espíritos
E evaporou as conversas de espuma
*
Trazia na trela um cão pequeno
Que latia arrogâncias
E havia fome
No focinho da besta
*
Eu podia simplesmente
Falar da cinza e dos cornos
Ou iludir-te com a falta de luz nos ovários
Mas a espera
Requer vocábulos de natureza puta
*
Eu podia pagar-te
Para ires às mulheres da rua
Deixava a fera assentar o pêlo
E calava os hemisférios
*
Era bem mais fácil
Rogar-te pragas de marfim
Fazer de conta que a lua
Tirou umas férias amarelas
Ou inventar incertezas
No centro do equador
*
Mas ouço a febre descer à montanha
Num repique de sinos alegóricos
E espero durante a hora da missa
Perder-me no bosque para sempre”

Beijinho, obrigada por tudo ;)

A. S.

março 29, 2006 6:04 da tarde  
Anonymous 3.14159265358... pensou e disse...

Ah, esta deve ser mais uma daquelas escolas que vão fechar!

março 30, 2006 1:22 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home